29 de Maio de 2008

Era isto que Bernstein guardava na mala castanha e velha que mantinha debaixo da cama, na esperança de que o Messias chegasse a meio da noite: dois pares de meias pretas, um par de calças pretas, uma camisa branca, um livro de Salmos, rugalach, três solidéus, um conjunto suplente de filactérias, dois mantos de oração (um para os dias da semana e um para o Sabat) e um fato de banho, porque nunca se sabe.”

Assim começa um dos livros que mais prazer me deu ler. À partida, o título captou, de imediato, a minha atenção. Aliás, sempre que me dirijo à Fnac ou à Bertrand (os meus locais de eleição no que a este assunto diz respeito), antes mesmo de saber o autor do livro, procuro um título que tenha a sua originalidade. Como é óbvio, o facto de o título do livro ser algo de espectacular não melhora automaticamente o conteúdo do mesmo. Não é o que se passa com esta obra de Shalom Auslander.

Antes de termos “cuidado com o cão” ou “cuidado com o sol”, é urgente termos “cuidado com Deus” (não querendo comparar esta figura mitológica com o mamífero canídeo de quatro patas ou com a estrela mais próxima do nosso planeta).

São catorze as histórias que Shalom nos conta ao longo de toda a narrativa. Desde as “Dicas sobre o Holocausto para Crianças”, passando pela “Metamorfose” ou pelo “Dilema do Profeta” todas elas de uma leitura obrigatoriamente compulsiva. Não por ter algum sinal azul com uma seta a indicar “Lês isto de forma compulsiva e mais nada, antes que leves umas chicotadas!”, mas sim porque este livro tem the thing.

Como se pode ler na contracapa do livro, “O autor, educado como judeu ortodoxo, satiriza impiedosamente a divindade do Antigo Testamento: Deus tem enxaquecas, assedia um profeta dos tempos modernos e até aparece como uma galinha gigante.”

Deus já comentou esta obra com um divino “Aaaaaaaaaaatchiiiiim!!!”, mas, como não obteve resposta, entrelaçou os braços, fez beicinho e sentou-se a jogar Playstation 3. “Santinho!”, ouviu-se ao fundo do corredor. Deus levantou-se num impulso e viu, ao longe, um indivíduo com um bigode farfalhudo. Havia chegado o momento! Meteu a mão ao bolso, fez pontaria e pensou: “Seja o que eu quiser”. PAAAAMMM!!!! O som ensurdecedor ecoou pelas quatro paredes da barraca. “Diz lá quem é que está morto agora, diz!”
publicado por André Pereira às 10:35 link do post
Maio 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
15
17
21
22
24
25
26
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados
19 comentários
15 comentários
14 comentários
12 comentários
11 comentários
10 comentários
9 comentários
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Sport TV, de que greve está a falar? Da de 1886?.....
Vi na televisão que a greve geral registou grande ...
esta foto realmente incrível!
llolol bela ideia... ou não :)
seu blog é muito bom! Eu não leio Português bem, m...
esta foto é realmente impressionante, mas também r...
esta imagem realmente impressionante, incrível! o ...
começo a acreditar que o mundo vai mesmo acabar em...
viva o benfica a 100%
Olha agora é que foi tudo dito. Gostei do post e d...
blogs SAPO